Museu do Estado de Pernambuco

Um acervo revisitado


Localizada no espaço anexo Cícero Dias, essa exposição guarda uma bela coleção do mobilário pernambucano e aí se vê o quanto ele é original nas suas proporções, nos entalhes e na recriação de estilos. Cadeiras de espaldar alto D. João V em jacarandá escuro e gordas cômodas e semicômodas entalhadas, que contrastam com as singelezas dos móveis retos de embutidos D. Maria I, os requintados canapés e sofás criados por Béranger, um reviver neo-rococó do mobiliário de sentar pernambucano. E além deles, as arcas!

Seguramente, o visitante terá o ímpeto de embalá o berço rococó do abolicionista José Mariano Carneiro da Cunha, ou se curvar diante dos oratórios dourados, dos crucifixos, muito ao estilo de Pernambuco. 

E o MEPE guarda muito mais preciosidades em seu acervo, como as pinturas dos retratos do imperador D. Pedro II e da imperatriz Leopoldina, feitos respectivamente por João Maximiniano Mafra e Louis Schlappriz. Mas é o pintor "essencialmente pernambucano", Telles Júnior, que seduz o olhar de espectador pela forma como exprime a tensão dos coqueiros açoitados pelo vento, as matas virgens, as águas e o céu ameaçador de suas paisagens. São também do artistas duas obras-primas inesquecíveis: "Natureza morta" e "Cobra e borboleta". Uma lição de pintura, que o artista soube expressar com a maestria aprendida de seu predecessor célebre, Agostinho José da Mota.

O visitante poderá ainda contemplar obras de Antônio Parreiras, Virgílio Maurício, Carlos Chambellan, Henrique Bernadelli, para falar de outros artistas dessa coleção que se torna ainda mais rica por preservar a pintura modernista pernambucana de Vicente do Rego Monteiro, Lula Cardoso Ayres, Cícero Dias, Augusto Reynaldo, Reinaldo Fonseca, Francisco Brennand, Fédora do Rego Monteiro, Ladjane Bandeira, Montez Magno, Samico, Wellington Virgolino, João Câmara Filho, José Carlos Viana, Maria Carmen e José Cláudio.