Museu do Estado de Pernambuco

Rodolfo Mesquita- A forma custa caro


“O desenho de Rodolfo Mesquita é o trabalho que mais me emociona de toda produção gráfica jovem no Brasil”, disse o pintor João Câmara nos anos 70, época em que o artista plástico por ele referido começava não apenas a expor seus trabalhos, mas também a publicá-los em alguns dos jornais e revistas mais inconformistas do País, tanto no campo artístico como no político, a exemplo de O Pasquim, Movimento e Rolling Stones. E também em veículos não pertencentes à esfera alternativa, como a IstoÉ.

Foi ainda nessa década que o artista foi apresentado pelo pintor e marchand Giuseppe Baccaro (durante certo tempo representante de Rodolfo no circuito cultural brasileiro) a Pietro Maria Bardi, fundador, junto com Assis Chateaubriand, do Museu de Arte de São Paulo, do qual foi também diretor por 45 anos. O entusiasmo de Bardi pela obra do pernambucano resultou em uma exposição individual no Masp, em 1976. Neste mesmo ano, participa do Salão Arte Agora, no Rio de Janeiro, conquistando prêmio de viagem à França, onde passa a viver e trabalhar. Um dos jornais que publicaram trabalhos seus foi o Libération.

Em edição bilíngue (português e inglês), com 340 páginas e quase 300 imagens, o livro de arte Rodolfo Mesquita – A forma custa caro, que a Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) é uma reunião inédita, ampla e profunda do legado do artista, que, ainda aos 10 anos, ganhou um concurso de desenho promovido pela rede pública de ensino de São Paulo.